Como dimensionar os trilhos ferroviários pelo método Talbot

trilhos-ferroviarios-D_NQ_NP_562711-MLB20619578069_032016-F

Há dois métodos mais consagrados para dimensionamento de trilhos ferroviários, ambos baseiam-se na consideração da grade apoiada em um meio elástico, ou seja, o modelo é semelhante a uma viga solicitada sobre uma fundação deformável.

O procedimento de cálculo pelo método de Talbot admite que cada trilho da via trabalha em uma condição semelhante a uma viga sobre apoio elástico, seguindo o modelo de equação diferencial apresentado na Equação 1.

Quais as consequências do Efeito combinado de Cargas em Ferrovias

As cargas atuantes sobre os trilhos podem ser dividas nas horizontais e verticais. A carga total é a somatória da carga por roda, da carga por aceleração lateral não compensada, pela carga do vento e pelo carregamento dinâmico. Na Figura 1 é possível identificar onde ocorre a aplicação das cargas horizontais e verticais nos trilhos.

carga
Figura 1 – Ponto de aplicação da Carga. Fonte: Autor (2018)

Qual a função da Tala de Junção em Ferrovias

Normalmente, os trilhos ferroviários apresentam comprimento de 12 metros. Com isso, para a construção das vias férreas, o conjunto de trilhos dispostos longitudinalmente precisam ser unidos. Essa união pode ocorrer por soldagem, ou então pelas talas de junção (Joint Bar).

As talas de junção são posicionadas nas almas dos trilhos e presas por quatro ou seis parafusos e aruelas de pressão. As talas utilizadas no Brasil são normatizadas pela NBR 7591/2012 e são classificadas em:

  • TJ 37
  • TJ 45
  • TJ 50
  • TJ 57
  • TJ 68

As juntas em trilhos unidos por talas apresentam pontos de desconexão, e por isso são considerados de qualidade inferior aos métodos de soldagem dos trilhos. Devido a essa desconexão, durante a passagem do veículo na junta a via se deforma e as rodas “golpeiam” o boleto. Isso gera uma deformação nas juntas e a oscilação vertical do veículo. A Figura 1 ilustra a deformação na junta com tala de junção.

5
Figura 1 – Deformação na junta. Fonte: Autor (2018)

Os 4 tipos de defeitos em Trilhos Ferroviários

FlambagemA
Fonte: Autor desconhecido

Os trilhos podem apresentar diversos defeitos que são classificados com base no processo que resultou o defeito. Na compra de um trilho, o fabricante deve apresentar uma relação de ensaios que comprovem as propriedades mecânicas e funcionais dos trilhos, além do ensaio de verificação por ultrassom que analisa se o trilho apresenta defeitos internos de fabricação.

DEFEITOS DE FABRICAÇÃO

Requisitos para Recebimento de Trilhos Ferroviários

trilhos-ferroviarios-D_NQ_NP_562711-MLB20619578069_032016-F
Fonte: Autor desconhecido

Os responsáveis ferroviários precisam fazer certas marcações no trilhos. Cada organismo ferroviário possui uma lista de marcações que são exigidas, a Companhia brasileira de Trens Urbanos (CBTU) exige os seguintes itens:

  • Marca do Fabricante
  • País de Origem
  • Processo de resfriamento
  • Processo de Fabricação
  • Tipo do Trilho
  • Ano e Mês de fabricação
%d blogueiros gostam disto: