O que é Engenharia de Transportes?

Copy of Copy of Copy of Copy of Copy of engenharia com Strategies (1)

Quais são as áreas de atuação de um Engenheiro de Transportes?

A engenharia de transportes é uma das grandes áreas da engenharia civil. Contudo, algumas faculdades possuem um departamento específico de Engenharia de Transportes. Outras, devido a demanda do mercado, criaram um curso de graduação focado na área de Transportes.

Mas vocês sabe quais são as áreas de atuação do Engenheiro de Transportes?

Tenho certeza que uma das áreas você nem sabia que pertencia a esse departamento.

Como dimensionar o Lastro Ferroviário pelo método TALBOT

10

O dimensionamento adequado das camadas de lastro e sublastro é fundamental para que a via ferroviária não precise de manutenções constantes. O erro nesse tipo de dimensionamento pode fazer com que a via sofra de constantes problemas de desnivelamento, prejudicando o tráfego, a segurança e exigindo muitas manutenções.

A distribuição de tensões apresenta um espraiamento de ângulo variando de 30° a 45° com a horizontal. Essa distribuição é considerada para todos os eixos dos dormentes, transversal e longitudinal, conforme Figura 1.

Como dimensionar os trilhos ferroviários pelo método Talbot

trilhos-ferroviarios-D_NQ_NP_562711-MLB20619578069_032016-F

Há dois métodos mais consagrados para dimensionamento de trilhos ferroviários, ambos baseiam-se na consideração da grade apoiada em um meio elástico, ou seja, o modelo é semelhante a uma viga solicitada sobre uma fundação deformável.

O procedimento de cálculo pelo método de Talbot admite que cada trilho da via trabalha em uma condição semelhante a uma viga sobre apoio elástico, seguindo o modelo de equação diferencial apresentado na Equação 1.

Como majorar a carga para dimensionamento de Ferrovias

Fonte da Figura: http://www.vale.com/

No dimensionamento dos trilhos, para a definição dos momentos fletores e das tensões atuantes no trilhos, é necessário a utilização de um parâmetro que relaciona a condição de suporte da via, ou seja, da resposta elástica da camada de lastro. No dimensionamento de Talbot, esse parâmetro é chamado de módulo de fundação da via (U), e para o dimensionamento de Zimmermann o parâmetro é chamado de coeficiente de lastro (c).

Considerações básicas para o dimensionamento de Ferrovias

Via-permanente03
Fonte: http://gruposemil.com.br

Antes de iniciar o dimensionamento das camadas e dos componentes de uma via permanente é necessário definir previamente o local de origem e do destino da ferrovia, a fim de realizar um estudo geométrico do traçado da via. É necessário definir o objetivo do transporte, se será utilizado como transporte de carga ou de pessoas, e as características do veículo, como carga por eixo e a frequência operacional máxima e mínima.

Conheça as 3 categorias de Esforços atuantes em Ferrovias

sustentabilidade-sobre-os-trilhos-977427
Fonte: engeplus.com.br

Para o dimensionamento dos elementos que compõem a superestrutura da via permanente é necessário definir, e quantificar, os esforços atuantes na via. Nas ferrovias, os eixos dos veículos ferroviários geram esforços nos trilhos, que são transmitidos para dormentes e desses para o lastro e sublastro. Essas camadas granulares atuam como um apoio elástico para a estrutura.

Conheça os requisitos de um Lastro Ferroviário

trem-obras-sam
Fonte: https://nordestenoticias.wordpress.com

Os dormentes ferroviários são assentados sobre camadas de pedra britada, chamada de Lastro (Ballast). O lastro é uma camada constituída de material granular que tem como objetivo suportar a grade da via férrea. O lastro envolve os dormentes também nas laterais e longitudinais, para impedir a movimentação destes. 

Entenda as Solicitações nos Dormentes

trem-obras-sam
Fonte: https://nordestenoticias.wordpress.com

Os dormentes recebem uma certa porcentagem das solicitações provenientes das rodas nos trilhos. Segundo PAIVA (2016) os estudos e pesquisas de engenharia ferroviária mostraram que uma dada carga Q dos veículos ferroviários carrega os dormentes com aproximadamente 40% da carga Q.

Os 4 tipos de defeitos em Trilhos Ferroviários

FlambagemA
Fonte: Autor desconhecido

Os trilhos podem apresentar diversos defeitos que são classificados com base no processo que resultou o defeito. Na compra de um trilho, o fabricante deve apresentar uma relação de ensaios que comprovem as propriedades mecânicas e funcionais dos trilhos, além do ensaio de verificação por ultrassom que analisa se o trilho apresenta defeitos internos de fabricação.

DEFEITOS DE FABRICAÇÃO

Requisitos para Recebimento de Trilhos Ferroviários

trilhos-ferroviarios-D_NQ_NP_562711-MLB20619578069_032016-F
Fonte: Autor desconhecido

Os responsáveis ferroviários precisam fazer certas marcações no trilhos. Cada organismo ferroviário possui uma lista de marcações que são exigidas, a Companhia brasileira de Trens Urbanos (CBTU) exige os seguintes itens:

  • Marca do Fabricante
  • País de Origem
  • Processo de resfriamento
  • Processo de Fabricação
  • Tipo do Trilho
  • Ano e Mês de fabricação
%d blogueiros gostam disto: