Considerações básicas para o dimensionamento de Ferrovias

Via-permanente03
Fonte: http://gruposemil.com.br

Antes de iniciar o dimensionamento das camadas e dos componentes de uma via permanente é necessário definir previamente o local de origem e do destino da ferrovia, a fim de realizar um estudo geométrico do traçado da via. É necessário definir o objetivo do transporte, se será utilizado como transporte de carga ou de pessoas, e as características do veículo, como carga por eixo e a frequência operacional máxima e mínima.

As seções transversais das vias férreas podem ser de dois tipos, a via saliente e a via enterrada. Na via saliente, a vazão precipitada se infiltra no lastro e percola até a camada impermeável, sendo drenada nas sarjetas. Já na via enterrada, as águas se infiltram no lastro contido nas laterais e é encaminhada para drenos. A Figura 1 ilustra as seções transversais.

SEÇÃO
Figura 1 – Seção Transversal da via. Fonte: Autor (2018)

Entretanto, as vias enterradas apresentam desvantagem pela necessidade de interdição do tráfego para manutenções dos drenos subsuperficiais. De forma geral, o dimensionamento de uma via ferroviária consiste em determinar o tipo de perfil a ser utilizado, o espaçamento dos dormentes e a espessura das camadas de lastro e sublastro.

Cada um desses componentes contribui com uma certa porcentagem para dissipar as tensões exercidas no boleto dos trilhos. A Tabela 1 apresenta cada contribuição.

dorm
Tabela 1 – Contribuição dos componentes. Fonte: PAIVA (2016)

Com os dados da Tabela 1 nota-se que a plataforma da via férrea precisa de qualidade suficiente para resistir ao menos 43% da carga, e prevendo uma vida útil de 30 a 50 anos. Esse artigo foi útil para você? Compartilhe esse artigo para que outras pessoas entendam esse conceito de Infraestrutura Ferroviária. Se tiver dúvidas, deixe nos comentários que elas serão respondidas!

Siga nas redes sociais abaixo para acompanhar nosso trabalho!

60312da1fe41b1f2a8a84e4c959b4e0e

if_linkedin_circle_color_107178

aaa

Fontes:

PAIVA, C.E.L. “SUPER E INFRAESTRUTURAS DE FERROVIAS: Critérios para Projeto“. Editora Elsevier: São Paulo, 2016.

NABAIS, R.J.S; “MANUAL BÁSICO DE ENGENHARIA FERROVIÁRIA”. Oficina de Textos: São Paulo, 2015.

NETO, C.B. “MANUAL DIDÁTICO DE FERROVIAS“. Universidade Federal do Paraná: Paraná, 2018.

STOPATTO, S. “VIA PERMANENTE FERROVIÁRIA: Conceitos e aplicações“. São Paulo, 1987.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: