Da Rocha ao Asfalto: A História da Pavimentação

appia-antica-2.jpg
Via Appia Antica, Roma. Fonte: Autor (2019)

Com o avanço e a necessidade de cultivar e expandir seu território foram criadas as estradas, sendo os Egípcios os primeiros a criarem essas ligações entre locais, colocando drenos laterais e até um revestimento primário. Os egípcios, assim como outros povos, utilizavam as estradas apenas para serviços religiosos e festivos, segundo BALBO (2007) um sentido mais decorativo.

Os romanos foram os primeiros a aperfeiçoar as estradas criando o que hoje chamamos de pavimentação, com objetivo de criar uma estrutura duradoura. Já naquela época, a pavimentação era considerada essencial para uma sociedade desenvolvida. A Figura 1 ilustra o método dos romanos.

ROMANOS
Figura 1 – Pavimento da Via Appia. Fonte: http://www.spanisharts.com

Dentre as primeiras vias pavimentadas pelos Romanos está a Via Appia Antica, construída em 312 a.C e que recebeu o nome do seu criador, o político romano Áppius Claudius Caecus, com o objetivo de mostrar a grandeza de Roma. A Via Appia Antica ligava Roma até Taranto e tinha como objetivo estabelecer ligação entre a sede romana e as províncias orientais.

Appia Antica 4
Figura 2 – Via Appia Antica. Fonte: Autor (2019)

As técnicas de pavimentação da Roma foram se aprimorando conforme a necessidade de expandir o território. As estradas romanas ligavam cidades e portos, para operações agrícolas. Segundo BALBO (2007), durante o período republicano de Roma diversas estradas foram construídas com as técnicas construtivas dominadas pelos romanos, dentre elas a Via Aurélia, Via Flaminia e a Via Clodia.

A técnica de construção dos romanos era seguida por:

  • Terreno Natural – Escavados até material consistente
  • Statumen – Lastro de pedras para melhorar condição de apoio (30 a 60 centímetros)
  • Indus ou Rudus – Pedras fragmentadas, pedaços de ferro aglomerados com cal, areia, argila e pozolana (cinza vulcânica) (25 a 30 centímetros)
  • Nucleus – Pedras miúdas com pasta semelhante ao indus para impermeabilizar o pavimento. (30 a 50 centímetros)
  • Summa crusta – Rochas basálticas justapostas

Durante a baixa idade média, a decadência econômica dos povos europeus, as vias pavimentadas pelos romanos foram abandonadas e resultaram em deterioração pelo intemperismo e ausência de manutenção, o que só retornou no fim da baixa idade média.

O uso da técnica de pavimentação romana se estendeu até o século XVIII, quando em 1770 o engenheiro Pier-Maria Jerolame Trésaguet apresentou novos critérios de pavimentação na frança. Trésaguet utilizada:

  • Fundação – 30 centímetros de pedras cravadas com objetivo de uniformizar o apoio.
  • Camada Superior – 8 a 10 centímetros de pedras trituradas e dispostas a mão com posterior compactação, para resultar em poucos vazios.

Em 1820 o Engenheiro escocês John Loudon Mac-Adam, baseado em sua experiência prática publicou suas notas, as quais contrariavam Trésaguet e diziam:

  • Uniformizar o terreno com pedras cravadas é dispensável
  • Camada granular não precisa de confinamento, para permitir escoamento da água
  • Pedras com dimensões máximas de 40mm (cúbica) e 50mm (esférica), com rigoroso controle tecnológico.
  • Pedras são espalhadas em camadas sobrepostas, de espessura crescente, sem necessidade de aglomerantes pois a água faria esse papel.

Essa especificação ficou conhecida como Macadame Hidráulico, e pode ser encontrada aqui.

Capturar2
Figura – Técnica de MacAdam.

Entre 1825 e 1895 foram criadas diversas teorias, como a teoria da elasticidade, a resistência dos materiais, a geodesia e a geometria. O que acabou contribuindo para o avanço de novas técnicas e de teorias para dimensionamento de estruturas dos pavimentos.

Com a expansão da utilização do cimento portland, o concreto foi utilizado pela primeira vez na pavimentação em Grenoble na França e na cidade de Ohio, ambos em 1876.

Em 1870 foi construído o primeiro pavimento com revestimento betuminoso em New Jersey (EUA), pelo químico belga DeSmedt.

As técnicas de dimensionamento e a especificação de materiais foi avançando com o passar dos anos, surgindo a teoria de boussinesq, teoria de burmister, especificações para o uso de concreto asfáltico e novos materiais incorporados em misturas como o polímero e a borracha de pneu. Esses temas mais específicos estão (ou estarão futuramente) detalhados em artigos próprios.

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe esse artigo para que outras pessoas conheçam a história da pavimentação rodoviária. Se tiver dúvidas, deixe nos comentários que elas serão respondidas!

Siga nas redes sociais abaixo para acompanhar nosso trabalho!

60312da1fe41b1f2a8a84e4c959b4e0e

if_linkedin_circle_color_107178

aaa

Fontes:

BALBO, José Tadeu, “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Materiais, projeto e restauração”. São Paulo, 2007.

BERNUCCI, L.B; MOTTA, L.M.G; CERATTI, J.A.P; SOARES, J.B. “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Formação básica para Engenheiros”. Rio de Janeiro, 2008.

PEIXOTO, Creso de Franco; “GENERALIDADES DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA”. Rio Claro, 2003.

PRIETO, Valter; “NOTAS DE AULA – SUPERESTRUTURA RODOVIÁRIA”. Centro Universitário da FEI. São Bernardo do Campo, 2016.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: