Saiba quais são os requisitos para executar Base e Sub base de Pavimentos Rodoviários

bgs_egesa_5
Fonte: http://pedreirabeirario.com.br

As misturas utilizadas para camadas de base e de sub-base devemser executadas. preferencialmente, em centrais misturadoras para garantir as propriedades da mistura. A mistura só pode ser realizada diretamente na pista caso seja utilizado material local.

Segundo o DNIT 141/2010, a espessura da camada não deve ser inferior a 10 centímetros e nem superior a 20 centímetros. Caso a espessura exigida em projeto seja superior a 20 centímetros, deve-se dividir em camadas parciais que atendam o limite imposto.

Na fase inicial da obra, deve ser executada uma pista experimental para definir o número de passagens do rolo compactador que atinja o grau de compactação exigido em projeto. Assim como ocorre no subleito, deve ser verificada a umidade da mistura o qual não deve ser inferior a 2% e nem superior a 1% da umidade ótima.

A compactação da mistura ocorre sempre do bordo para o eixo, e sempre com sobreposição de 150mm da faixa da passagem anterior. No caso de trechos com superelevação, a compactação deve começar no bordo mais baixo até o bordo mais alto. A Figura 1 ilustra a passagem do rolo com sobreposição.

234
Figura 1 – Compactação com sobreposição. Fonte: BERNUCCI, MOTTA, CERATTI E SOARES (2008)

O controle de qualidade da camada segue os mesmos descrito no subleito, sendo:

  • 200 metros para compactação
  • 400 metros para CBR
  • 100 metros para umidade
  • 100 metros para grau de compactação

O controle geométrico, em comparação com o do subleito, sofre mudança apenas no parâmetro de espessura da camada, conforme as tolerâncias abaixo:

  • 10 centímetros para largura da pista
  • Até 20%, em excesso, para flecha de abaulamento (declividade transversal em relação ao eixo). Não é tolerada falta.
  • 10 centímetros quanto a espessura da camada

Após a compactação e liberação da equipe de controle de execução, a base deve ser imediatamente imprimada, conforme DNIT 144/2014.

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe esse artigo para que outras pessoas entendam esse conceito da Pavimentação Rodoviária. Se tiver dúvidas, deixe nos comentários que elas serão respondidas!

Siga nas redes sociais abaixo para acompanhar nosso trabalho!

60312da1fe41b1f2a8a84e4c959b4e0e

if_linkedin_circle_color_107178

aaa

Fontes:

BALBO, José Tadeu, “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Materiais, projeto e restauração”. São Paulo, 2007.

BERNUCCI, L.B; MOTTA, L.M.G; CERATTI, J.A.P; SOARES, J.B. “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Formação básica para Engenheiros”. Rio de Janeiro, 2008.

DNIT – DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. “DNIT ES 144 – EXECUÇÃO DE BASE”. Paraná, 2014.

PEIXOTO, Creso de Franco; “GENERALIDADES DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA”. Rio Claro, 2003.

PRIETO, Valter; “NOTAS DE AULA – SUPERESTRUTURA RODOVIÁRIA”. Centro Universitário da FEI. São Bernardo do Campo, 2016.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: