Vantagens e desvantagens dos Dormentes de Aço

dormvale-300x224
Fonte: http://www.mimf.com.br/

Os dormentes de madeira possuem vida útil reduzida pois podem sofrer danos provenientes de fungos, insetos ou devido apodrecimento devido a presença de água. Com isso, outros tipos de dormentes podem ser utilizados em vias férreas.

Os dormentes de aço são formatos por chapas metálicas em forma de “U” virado para baixo e são fixados no lastro. Apresentam vida útil superior aos dormentes de madeira, variando de 25 até 50 anos. Além disso, é uma solução mais leve, o que implica em fácil transporte e aplicação em campo.

Os dormentes de aço apresentam também como vantagem a resistência ao fogo, ou seja, não são incendiáveis em caso de fogo acidental. Apresentam longa durabilidade e resistência, além de proporcionar maior estabilidade lateral e longitudinal da via. A Figura 1 ilustra os dormentes de aço.

aço
Figura 1 – Dormentes de Aço. Fonte: http://www.hidremec.com.br

Entretanto, os dormentes de aço apresentam maior custo inicial do que os de madeira e estão suscetíveis a corrosão. Outra desvantagens desses dormentes é a poluição sonora causada na passagem dos veículos, manutenção do lastro é difícil e só pode ser utilizado para a bitola projetada.

Os dormentes de aço ainda causam problemas com o circuito da via (track circuit). O circuito da via é uma instalação elétrica que tem os trilhos como condutores elétricos e permitem identificar a posição dos trens. O circuito possibilita ainda identificar quando os trilhos estão quebrados pois ocorre a quebra da corrente, chamado de “shunt“. Os dormentes e o lastro tem como função o isolamento elétrico. Como nesse caso os dormentes são de aço, o isolamento não ocorre como os outros materiais.

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe esse artigo para que outras pessoas entendam esse conceito da Infraestrutura Ferroviária. Se tiver dúvidas, deixe nos comentários que elas serão respondidas!

Siga nas redes sociais abaixo para acompanhar nosso trabalho!

60312da1fe41b1f2a8a84e4c959b4e0e

if_linkedin_circle_color_107178

aaa

Fontes:

PAIVA, C.E.L. “SUPER E INFRAESTRUTURAS DE FERROVIAS: Critérios para Projeto“. Editora Elsevier: São Paulo, 2016.

NABAIS, R.J.S; “MANUAL BÁSICO DE ENGENHARIA FERROVIÁRIA”. Oficina de Textos: São Paulo, 2015.

NETO, C.B. “MANUAL DIDÁTICO DE FERROVIAS“. Universidade Federal do Paraná: Paraná, 2018.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: