O que é a Avaliação Funcional dos Pavimentos

a1

Em alguns artigos sobre a Infraestrutura de Transportes tratamos sobre a Avaliação Estrutural de pavimentos, levando em consideração as Avaliações estruturais destrutivas e as Avaliações estruturais não destrutivas.

Como uma breve recordação, avaliações estruturais destrutivas são aquelas auxiliadas por um poço ou trincheira, de forma a conseguir avaliar e mensurar as espessuras e camadas dos pavimentos. Isso possibilita ainda identificar os materiais utilizados em cada camada. As avaliações estruturais não destrutivas, por sua vez, são aquelas que utilizam ondas eletromagnéticas para identificar espessuras e materiais com base em uma calibração prévia. 

Além da Avaliação estrutural são empregadas na área de pavimentação as Avaliações funcionais. Diferente do que ocorre na estrutural, o objetivo da avaliação funcional é a identificação de problemas superficiais no pavimento. Ou seja, consiste em determinar a serventia que um pavimento proporciona ao usuário.

Inicialmente é realizado um levantamento visual continuo por dois técnicos dentro um veículo em movimento, avaliando todas as faixas de rolamento e identificando a frequência e severidade de defeitos. Após a avaliação, define-se uma nota que traduza a condição de rolamento do trecho. Podendo determinar:

  • Índice de defeitos da superfície: Representa o grau de deterioração da superfície do pavimento a partir da frequência dos defeitos.
  • Valor da Serventia atual: Representa condição de conforto e segurança ao rolamento percebido pelo usuário.
  • Índice de condição funcional: Condição funcional, envolve aspectos de defeitos de superfície e serventia.

a2

Após essa avaliação inicial é aplicada uma avaliação objetiva da superfície. Essa consiste no levantamento e classificação de ocorrências na superfície do pavimento e na medida de deformações permanentes em trilha de roda. Com essa avaliação, podem ser determinados:

  • Frequência Absoluta (Fa): Número de vezes em que as ocorrências ou defeitos verificados.
  • Frequência Relativa (Fr): Relação entre o Fa e o número de estações inventariadas.
  • Índice de gravidade individual (IGI): É o produto da frequência relativa e do fator de ponderação para cada ocorrência.
  • Índice de Gravidade global (IGG): É a somatória dos índices de gravidade individual para o segmento.

O Índice de gravidade global do pavimento é uma medida que fornece aos Engenheiros informações da rodovia e estabelecer certas medidas e planejar sobre manutenções e possíveis restaurações nas rodovias.

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe esse artigo para que outras pessoas entendam esse conceito da Gerência de Pavimentos. Se tiver dúvidas, deixe nos comentários que elas serão respondidas!

Siga nas redes sociais abaixo para acompanhar nosso trabalho!

60312da1fe41b1f2a8a84e4c959b4e0e

if_linkedin_circle_color_107178

aaa

Fontes:

PRIETO, Valter; “Notas de Aulas da disciplina de Superestrutura Rodoviária”. Centro Universitário da FEI. São Bernardo do Campo, 2016.
BALBO, José Tadeu, “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Materiais, projeto e restauração”. São Paulo, 2007.
PEIXOTO, Creso de Franco; “Generalidades de Pavimentação Rodoviária”. Rio Claro, 2003.
Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. “AVALIAÇÃO FUNCIONAL E ESTRUTURAL DE PAVIMENTO ”. 2006

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: