Como realizar a dosagem de Tratamentos Superficiais

tsd

O tratamento superficial consiste de uma espessura delgada e executada por espalhamento de ligante asfáltico seguido de agregados. Os agregados do tratamento superficial são responsáveis pela textura da camada, e dessa forma devem apresentar características geométricas e físico-químicas, como:

  • Abrasão Los Angeles 40%
  • Índice de Forma > 0,5
  • Durabilidade com perda 12%
  • Granulometria obedecendo as faixas.

A distribuição granulométrica dos Tratamentos superficiais deve ser o mais próximo de uma distribuição uniforme, ou seja, pouca variação na granulometria. O uso de graduação contínua, variedade nos tamanhos das partículas, pode gerar ausência na cobertura dos grãos, diminuindo a adesão e consequentemente, com risco de exsudação. Já quando os agregados são uniformes, ocorre o aumento da estabilidade da estrutura devido a adesão dos grãos.

Segundo Bernucci, Motta, Ceratti e Soares (2008) costuma-se denominar os agregados de dimensões pelos diâmetros nominais mínimos (d) e máximos (D). Os tamanhos relativos das peneiras são definidos pela Equação 38, sendo que o valor de k varia de 0,5 a 0,8.

diam
Equação 1 – Diâmetro máximo e mínimos dos agregados. Fonte: Bernucci, Motta, Ceratti e Soares (2008)

O Quadro 1 apresenta uma recomendação para a graduação dos agregados, a qual varia com base no tráfego. Sendo que tráfego 1 é aquele que possui volume diário médio maior que 2000 veículos, tráfego 2 é aquele que apresenta volume diário médio entre 500 e 2000 veículos, e o tráfego 3 o que apresenta volume diário médio menor que 500 veículos.

ts
Quadro 1 – Recomendações de TS. Fonte: Bernucci, Motta, Ceratti e Soares (2008)

O método de dosagem experimental também é chamado de método do ensaio de bandeja, o qual consiste em espalhar os agregados sobre uma placa plana de área 50×50 centímetros obtendo um mosaico uniforme de agregados, sem que ocorra a superposição ou falhas. Segundo Bernucci, Motta, Ceratti e Soares (2008) esse procedimento deve ser realizado 3 vezes.

A taxa de agregados graúdos da primeira camada (Tg) pode ser calculada pela Equação 2, e é resultado do quociente entre a massa dos agregados na placa e a área da placa.

tg
Equação 2 – Taxa de Agregados da primeira camada.

Sabendo-se qual é a massa específica aparente solta dos agregados é possível fazer a conversão para litros por metro quadrado. O procedimento ocorre dividindo a taxa de agregados (kg/m²) pela massa específica aparente (g/cm³), e fazendo algumas conversões de unidade.

A taxa de agregado miúdo (Tm) é considerada como aproximadamente a metade da taxa de agregados graúdos. Já a taxa de ligante (Tl), considerando a utilização de CAP, é calculado pela Equação 4 considerando a taxa de agregados total, Equação 3.

3
Equação  3 – Taxa de Agregado total
444
Equação 4 – Taxa de Ligante.

A dosagem dos agregados é auxiliada com a utilização da caixa dosadora, conforme Figura 1, o qual apresenta um medidor em litros por metro quadrado.

ff
Figura 1 – Caixa Dosadora. Fonte: Bernucci, Motta, Ceratti e Soares (2008)

Na execução de TSD assume-se que 60% do ligante seja utilizado no primeiro banho e 40% no segundo banho, conforme DNER ES 309/97 podem ser utilizados ainda como ligantes CAP 150/200 e emulsões RR1C e RR2C, desde que conste no projeto.

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe esse artigo para que outras pessoas aprendam a realizar a dosagem de tratamentos superficiais. Se tiver dúvidas, deixe nos comentários que elas serão respondidas!

Siga nas redes sociais abaixo para acompanhar nosso trabalho!

60312da1fe41b1f2a8a84e4c959b4e0e

if_linkedin_circle_color_107178

aaa

Fontes:

BALBO, José Tadeu, “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Materiais, projeto e restauração”. São Paulo, 2007.

BERNUCCI, L.B; MOTTA, L.M.G; CERATTI, J.A.P; SOARES, J.B. “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Formação básica para Engenheiros”. Rio de Janeiro, 2008.

MEDINA, J; MOTTA, L.M.G. “Mecânica dos Pavimentos”. Rio de Janeiro, 2015.

PEIXOTO, Creso de Franco; “Generalidades de Pavimentação Rodoviária”. Rio Claro, 2003.

PRIETO, Valter; “Notas de Aulas da disciplina de Superestrutura Rodoviária”. Centro Universitário da FEI. São Bernardo do Campo, 2016.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: