Ícone do site Além da Inércia

A Reciclagem a quente de Pavimentos

Anúncios
Fonte: Martec (2009)

Quando a reciclagem de pavimentos é realizado antes que o pavimento atinja total deterioração, ela é eficiente para diminuir os custos. Além disso, a reciclagem traz vantagens para o meio ambiente e diminui a quantidade de resíduos gerados na construção de estradas.

A reciclagem com RAP (Reclaimed Asphalt Pavement) pode ser realizada em central ou in situ. Ao dosar uma mistura reciclada, o projeto de mistura deve ser realizado com misturas da obra e o ligante deve apresentar características suficientes que possibilitem atingir o comportamento mecânico necessário.

RECICLAGEM A QUENTE EM CENTRAL

A reciclagem em central pode ser em centrais contínuas e descontínuas. As centrais contínuas são aquelas em que as misturas betuminosas são introduzidas na zona central do tambor, onde são protegidas do queimador. O aquecimento da mistura é provocado pelo gás de combustão e pelo contato com agregados superaquecidos. Em centrais contínuas a incorporação de material reciclado varia de 10% a 50%.

No caso de centrais descontínuas a mistura é introduzida diretamente no misturador. A quantidade de material fresado varia de 10% a 70%. As quantidades de material, para ambos os métodos, varia com base no quão envelhecido o material fresado está.  A Figura 1 ilustra uma central descontínua e a Figura 2 uma central contínua.

Figura 1 – Central descontínua. Fonte: EAPA
Figura 2 – Central contínua. Fonte: EAPA

RECICLAGEM A QUENTE IN SITU

A reciclagem in situ é utilizada para rejuvenescer a camada de desgaste de pavimento. Existem dois tipos de equipamentos, um com aquecimento previo da mistura e o outro que ocorre a fresagem e o aquecimento em um tambor misturador.

No aquecimento prévio, o pavimento é aquecido por um circuito de ar quente (até 600°C), que com a ajuda de um sistema permite que o pavimento atinja temperaturas de 150°C a 160°C numa espessura de 6 centímetros. O pavimento quente é fresado e entra em um misturador junto com o agente rejuvenescedor, e em alguns casos com outros agregados. Após esse processo a mistura é aplicada e compactada.

No outro método, o material é fresado a frio e colocado em um tambor misturador, onde se junta ao agente rejuvenescedor. Após isso ele é aplicado e compactado. A Figura 3 ilustra uma reciclagem in situ.

Figura 3 – Fases da reciclagem in situ. Fonte: Costa-Baptista (2006)

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe esse artigo para que outras pessoas entendam esse conceito da Pavimentação Rodoviária. Se tiver dúvidas, deixe nos comentários que elas serão respondidas!

Siga nas redes sociais abaixo para acompanhar nosso trabalho!

Fontes:

BALBO, José Tadeu, “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Materiais, projeto e restauração”. São Paulo, 2007.

BERNUCCI, L.B; MOTTA, L.M.G; CERATTI, J.A.P; SOARES, J.B. “PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA: Formação básica para Engenheiros”. Rio de Janeiro, 2008.

EAPA. “DIRETIVAS AMBIENTES SOBRE AS MELHORES TÉCNICAS DISPONÍVEIS PARA PRODUÇÃO DE MISTURAS BETUMINOSAS”. 1998.

ESTEVES, S.F. “RECICLAGEM DE PAVIMENTOS BETUMINOSOS: INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MISTURAS RECICLADAS A FRIO COM EMULSÃO“. Tese de Mestrado: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Porto, 2014.

PEIXOTO, Creso de Franco; “GENERALIDADES DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA”. Rio Claro, 2003.

PRIETO, Valter; “NOTAS DE AULA – SUPERESTRUTURA RODOVIÁRIA”. Centro Universitário da FEI. São Bernardo do Campo, 2016.

 

Sair da versão mobile